Forum Posts

Rodrigo Banzato
Feb 09, 2021
In General Discussions
Fala Galera, postei um video falando sobre isso, quem quiser assistir: Meu contato com os games começou aos 5 anos de idade, quando tive um videogame chamado Telejogo e logo em seguida o Atari, ali tínhamos o verdadeiro old school, aquele que não reclamava porque perdia, pois queria sempre jogar mais uma vez e bater os recordes. Para alguns, jogos irritantes, para outros, gamers hardcores, pura adrenalina. Era uma época onde não existia o game social, eram jogos de puro desafio. Isso continuou ao longo dos meus outros consoles como Master System, Mega Drive, Super Nintendo, Neo Geo, Jaguar 64, Nintendo 64, Dreamcast, Playstation e 3DO. Cada um desses consoles me ensinou algo, carrego lembranças de cada um deles. Após esses longos períodos de jogatina, resolvi ficar no PC e apostar nos estudos. Sempre que saia um novo console, eu estava comprando uma nova placa de vídeo ou melhorando o PC. Hoje os jogos mudaram e o público também e eu estou tendo que me adequar nesse novo padrão, mas sem perder aquela velha essência de desafios e adrenalina. Se o jogo não me oferecer emoções para mim não é um bom jogo. Veja abaixos todos os consoles que eu ja tiver e fizeram parte da minha vida: Já repararam que hoje os jogos trazem sempre aquele mesmo tutorial de apontar e clicar? Parece todos uma cópia do outro, só muda a aparência e os textos. Parece que o real modelo de game se transformou em algo onde você não quer traumatizar o jogador, sempre quando ele perde existe um tipo de carinho ou facilidade. Poucos jogos ainda trazem aquele desafio insano, um deles, por exemplo, Dark Souls, apesar de não ter jogado, já vi inúmeros vídeos e realmente o jogo impressiona pelo lado do desafio, algo que não é muito popular em outros jogos. Já repararam que muitos jogos tem mapas, setas indicativas, contornos luminosos, todo o tipo de ajuda para direcionar o jogador, como se o jogo fosse feito para o mais desastroso jogador do mundo. Como se o jogador tivesse preguiça de pensar. Isso é bom, mas por outro lado é muito ruim. Sempre gostei de jogos que me deixavam em situações complexas onde não sabia o que fazer, sou um jogador completamente contra os tutoriais, dicas, níveis fáceis etc. Mas calma, com Parallel eu quero misturar isso tudo. Vou dar um exemplo, ao invés do jogador escolher um nível de dificuldade, o jogo já vai apresentar pra ele algo dentro do gameplay. Caso ele não esteja se dando bem no jogo, algumas situações podem acontecer, sei que isso já existe. Mas minha ideia é fazer com que os jogadores que não queiram um desafio, tenham um tipo diferente de história. Aos mais desafiadores uma história mais desafiante e por aí vai. Por isso quando eu falo que estou fazendo um jogo para todos é porque estou pensando em todo o tipo de jogador, e isso é algo extremamente complexo. Eu sei, agradar todo mundo é praticamente impossível. Mas saibam que estou mesclando um pouco de tudo no jogo, para que seja algo único, com muita imersão e que traga aquela vontade de querer jogar o jogo novamente, mas fazendo outras ações, só para descobrir novas histórias. É como ler um livro novamente mas onde a cada momento, tudo pode mudar. Expectativa gera curiosidade, curiosidade gera desafio, desafio gera recompensa. Peço paciência a todos aqueles que estão ansiosos pelo game, vamos ver algumas das mecânicas que estou adicionando. Lembrem-se, o jogo começa simples e termina na mais absurda complexidade, a qual estou trabalhando, espero poder ter sucesso nessa missão e como sempre falo, trazer um bom jogo a todos. Não esqueça de colocar o jogo lá na lista de desejos da Steam: https://store.steampowered.com/app/1388350/Parallel/ Com o apoio de vocês, esse jogo terá cada vez mais força. Muito obrigado e sucesso a cada um de vocês que estão me acompanhando.
Como o jogo brasileiro Parallel pode mudar a maneira de se jogar um jogo? Jogos antigos VS jogos novos. content media
0
0
31
Rodrigo Banzato
Dec 22, 2020
In General Discussions
Ola, talvez você já tenha pensado em aprender a produzir games ou ficou curioso por ver tantas pessoas desenvolvendo games. E ai se perguntou, por onde começar? Hoje, mais do que nunca, produzir games esta ficando cada vez mais fácil, existe uma gama enorme de programas, estilos de jogos, gráficos e dispositivos onde você pode lançar o seu game. Vamos usar minha trajetória como um exemplo. Foi em 2001 onde eu tive o meu primeiro contato com o 3D, a faculdade de Design que eu fazia ainda não tinha programas específicos de 3D, mas a base artística foi muito boa para me ajudar a melhorar no desenho, na construção, estudos de cores, escultura etc. Fora da faculdade fui fazer alguns cursos de 3D e de criação de personagens, que me ajudaram a desenvolver alguns pequenos curta metragens. Em 2003 eu me formei e comecei a procurar trabalhos, pouca gente ainda usava o 3D e era a ferramenta que eu mais gostava de usar em meus trabalhos, mas fazendo um portfólio (apresentação de trabalhos pessoais ou profissionais), eventualmente eu conseguiria alguma oportunidade no mercado. Tenho muitas histórias pra contar, mas vou deixar para um outro momento. Seguindo, fiz alguns trabalhos de publicidade e continuei a fazer trabalhos pessoais relacionados a personagens e games, que abriram as portas para eu lecionar e dar aulas numa escola, isso por volta de 2007. Ai tudo começou a ficar mais bacana pois as oportunidades aumentavam e eu estava indo trabalhar na Gameloft. Ao mesmo tempo eu fazia mais trabalhos pessoais. Foi então que em 2009 participei de um campeonato da Epic Games chamado "Make Something Unreal Contest", onde fiz alguns dos meus primeiros personagens complexos de game e pude ganhar o segundo colocado na ocasião. No mesmo ano, eu estava abrindo minha própria escola de cursos, com meu sócio e irmão Ricardo Banzato. A escola se chama Tonka3D, ainda existem ótimos cursos por lá, pois nem todo o curso deve ter o foco apenas em ferramentas e sim em conceitos artísticos que complementam qualquer produção. Fiz diversos cursos para a Tonka3D e também trabalhos relacionados a Personagens e Arquitetura. Alguns desses trabalhos você pode encontrar no meu ArtStation Resumindo um pouco a história, entre um trabalho e outro, sempre continuei fazendo projetos pessoais, e também trabalhando voluntariamente em projetos de outras pessoas, para aprender e evoluir, pois precisava treinar também o meu inglês e entender melhor como funcionava o trabalho em grupo no desenvolvimento de games, etc. Foi então que em 2016 resolvi encarar uma missão e fazer meu primeiro jogo de fato, gratuito, chamado Clown2Beat, fiz ele em 4meses e depois mais 4 meses para lançar uma DLC paga. Foi ai que eu comecei a ganhar mais segurança, conhecendo outras pessoas e fazendo tambem novos cursos de games. Já em 2018, tive a oportunidade de montar um time (eu e mais 3 pessoas) e juntos fizemos o demo do jogo Shadows of Kepler, que esta na Steam também. Foi uma experiência única, mas estávamos na necessidade de ter um investidor para bancar o restante da produção do jogo. Não foi fácil, inclusive viajamos para os EUA em 2019 e entregamos um presente do jogo para o Tim Sweeney (CEO da Epic Games), pessoalmente na GDC. Sem um investidor, o time não pode dar continuidade no projeto. Isso tudo me levou até janeiro de 2020 onde eu decidi que pela experiência que tinha adquirido, já seria possível eu fazer algo bem mais elaborado e rico em detalhes. Fazendo o projeto sozinho, eu teria a certeza de que a produção não ficaria parada ou dependendo da ajuda de algum investidor. Chegamos em dezembro de 2020 (data atual que faço esse texto) onde estou lançando o primeiro Gameplay do jogo Parallel, a pedidos da comunidade do YouTube, que vem me ajudando bastante. Hoje já são 5 mil inscritos. E aqui estou eu, trabalhando muito na divulgação e também na produção do jogo. Acredito que não basta ter um bom produto, as pessoas tem que conhecer o produto e colocar algum tipo de valor nele, e isso só acontece com o tempo e com muito esforço. Espero no futuro participar mais ativamente em podcasts, entrevistas, artigos etc, e até mesmo voltar a elaborar cursos novos e/ou encontrar novas parcerias. Hoje tenho 41 anos, mas me sinto um garoto trabalhando e lutando pelos seus sonhos. Conto com seu apoio. Se você deseja entrar nessa aventura de desenvolver games, saiba que o caminho é longo, mas o trabalho em equipe ajuda muito a encurtar esse processo. Comece com trabalhos pequenos e vá expandindo ao longo do tempo. Ficar muito tempo em um único projeto pode ser frustrante, então sempre projete metas e conclua seus projetos. Pois nada melhor do que olhar pra trás e ter a tranquilidade de saber o que da certo e o que não da certo, por experiência própria. Um pouco de sorte também é sempre bem vindo e a "conexão" com outras pessoas, sejam parceiros, clientes, possíveis sócios etc é fundamental. Boa sorte e bons estudos. Rodrigo Banzato, 22 dezembro, 2020 Facebook LinkedIn
Cursos e dicas para iniciantes na produção de games. content media
2
1
595
Rodrigo Banzato
Dec 22, 2020
In General Discussions
You asked for, and here it is. The first gameplay of the game Parallel. It's been an amazing experience working with this game during this year. You guys give me a lot of strength and motivation. All I can do, is to retribute you with a great game. I know I can always improve the game, and that is why your opinion is really important to me. Vocês pediram, e aqui está. A primeira gameplay do jogo Parallel. Foi uma experiência incrível trabalhar com o jogo durante este ano. Vocês me dão muita força e motivação. Tudo o que posso fazer é retribuir vocês com um ótimo jogo. Sei que sempre posso melhorar o jogo e é por isso que sua opinião é muito importante pra mim. Lo preguntaste y aquí está. La primera gameplay del juego Parallel. Fue una experiencia increíble trabajar con el juego este año. Me das mucha fuerza y ​​motivación. Todo lo que puedo hacer es darte un gran juego. Sé que siempre puedo mejorar el juego y por eso tu opinión es muy importante para mí.
New screenshots and Gameplay / Novas imagens e Gameplay content media
0
1
25
Rodrigo Banzato
Aug 05, 2020
In General Discussions
Here is Rodrigo, I am here to see what you think about the Parallel Universe. I love to see new ideas, plans and everything related to narrative and technology about games. Let's make this an incredible game for everyone.
1
3
50
Rodrigo Banzato
Aug 05, 2020
In General Discussions
Welcome to the world of Parallel. My name is Rodrigo and I am very happy to be here with you. I really love games, since childhood, playing Atari, Master System, Mega Drive, 3DO, Dreamcast, Neo Geo, Nintendo 64, Jaguar 64, Playstation 1. Yes, I had the chance to own and play all of those consoles. After that, when studying for college, I need to invest money on my PC, so producing 3D art was a common part of my life. I didn't have time to play on consoles and the money was invested in PC hardware. Sometimes I play on PC to study and have fun. Games are my lifetime passion. So, after working like a freelancer and developing some 3D courses, in 2016 I decide to make my first game, a "free to play" game called Clown2Beat It took me 4 months to create the game and other 4 months to create a DLC. I did that to gain experience and see the difficulties of a game production. On the next years I partnered with 3 people and in 2019 we launched a (40 min) game demo called Shadows of Kepler I really saw how difficult it is to have an audience and find an investor. Therefore, I had no money to pay the other three members. The project is still open to future partners. So now I am with the game Parallel. You know a little more about me and be sure that this game will be finished. This is a lifetime mission for me and I will do my best. Give me your positive message and we will do what many people say is impossible.
0
0
29
R
Rodrigo Banzato

Rodrigo Banzato

Administrator
Weitere Optionen